You are currently viewing 10 formas de sair das dívidas

10 formas de sair das dívidas

Não existe nada mais assustador que acordar e ver que está totalmente endividado, não é mesmo?

Você sabe quais são os principais motivos que levam as pessoas as dívidas?

Essas dívidas podem fazer com que seu nome “fique sujo” e isso acarreta em consequências negativas.

Pensando nisso, nesse post trouxemos 10 formas para te ajudar a sair das dívidas de uma vez por todas – Vamos lá?

Primeiramente, você precisa saber que não é incomum cair nas dívidas – a cada ano temos a sensação de que as nossas compras aumentam mais e mais.

Ainda mais, existem causas que colaboram para que essa situação aconteça – bem como um desemprego inesperado.

Além disso, uma diminuição da renda familiar, empréstimos sem planejamento, falta de controle nos gastos e muito mais!

Você já pensou na possibilidade de ficar doente e não possuir uma reserva de emergência? Isso é uma das consequências de não ter controle sobre as finanças.

Contudo, temos ainda o maior vilão de pessoas sem planejamento financeiro: o cartão de crédito – é muito comum ver casos onde a pessoa extrapola o limite do cartão e não consegue pagar a fatura.

Por fim, como saída, a pessoa que não consegue pagar a fatura, a parcela em várias vezes, pagando muitas vezes, juros altíssimos – quando você vê, já virou uma “bola de neve”!

Todos esses exemplos são consequências da inadimplência financeira.

Já pensou em acordar com o nome no Serasa ou SPC? Vamos fugir disso!

Fica com a gente e confira as nossas dicas para sair das dívidas!

Bora lá?

Conheça 10 formas para sair das dívidas!

  1. Coloque todos os seus gastos no papel – Saiba o real valor de suas dívidas

O primeiro ponto é definir exatamente quanto é a sua dívida – liste todos os valores separadamente: quanto tempo está devendo, quem ou quais estabelecimentos.

Em seguida, faça as relações dos seus gastos mensais de acordo com a sua renda – Lembre-se que para quitar essas dividas será necessária uma economia.

Estabeleça o quanto você pode pagar a cada mês!

  • Busque um “plano B”

Existem gastos que não podem ser cortados – sendo assim é necessário ter outra fonte de renda.

Sabemos que conciliar o emprego com outras atividades é difícil, ou até mesmo conseguir um novo emprego se está desempregado – é aí que entra o “plano B”.

Sabia que é possível ganhar dinheiro fazendo serviços simples?

Sabe aquela blusinha que está parada um tempão no guarda-roupas ou aquele sapato que não te serve mais? Venda!

Existem diversos grupos no Facebook e até mesmo lojas online onde você pode estar anunciando seus produtos.

Além disso, você pode dar aulas particulares! Tem algum tema que você domina, ou matéria? É só divulgar e começar!

Por fim, mais uma ideia: doces caseiros ou comidas – Quem nunca viu aquele vizinho que vende “gelinho” ou “brigadeiro”?

Se você mora em um prédio, pode estar anunciando seus produtos por lá e não precisa conter a criatividade! Pode improvisar em: sopas, cones trufados, brigadeiros, beijinhos, tortas, feijoada e muito mais!

Sendo assim, você consegue uma graninha extra que pode juntar e quitar suas dívidas muito mais rápido!

  • Corte gastos: economize!

Como citamos anteriormente existem gastos que não podem ser cortados – Entretanto, com economia, eles podem ser reduzidos!

Conta de luz alta? Reduza seu tempo de uso em banhos, tomadas, televisões e até mesmo aquela luz que fica acesa sem motivo.

Ainda mais, corte gastos desnecessários – tire todos os supérfluos da sua lista de mercado, é importante que fique somente o essencial.

Além disso, busque comprar algo pensando no mês – reduzindo as idas no mercado, você reduz gastos além do necessário.

Não compre roupas ou sapatos que não precise – Não haja por impulso.

Contudo, opte por se alimentar em casa, deixe o carro mais em casa, utilizando mais o transporte público.

Por fim, compare preços! Comprar na primeira opção é mais rápido, mas nem sempre é a opção melhor e mais barata.

Se tiver oportunidade negocie o valor da compra!

Lembre-se que quando as dívidas acabarem e com controle financeiro, você poderá adquirir tudo o que quiser.

  • Priorize o pagamento das dívidas com juros mais altos.

De maneira geral, quanto maior a demora para pagar a dívida ou quanto mais prestações, maiores as taxas de juros.

Sendo assim, é possível ver o valor inicial se multiplicando e com isso, você fica cada vez mais longe de conseguir quitar sua dívida.

Se ainda sim a situação estiver apertada, não se desespere! Vamos ao tópico seguinte.

  • Faça uma renegociação das dívidas.

Uma das melhores formas para quitar uma dívida é renegocia-la – Vamos a ação!

Primeiramente, procure contatos de credores ou transfira sua dívida para um agente financeiro e busque renegociar os valores de suas dívidas.

É importante que você tenha bons argumentos para a renegociação.

Tire todas as suas dúvidas: saiba o percentual abatido da dívida e até mesmo se o desconto é maior com um pagamento a vista.

Além disso, solicite uma carta de quitação após o pagamento.

Tenha consciência do quando poderá pagar – portanto, estabeleça um limite.

Não aceite qualquer proposta!

  • Não faça novas dívidas.

Antes de mais nada, é importante que você não faça novas dívidas nesse período de economias.

Quanto maiores as dívidas, mais tudo parece virar uma “bola de neve” – Portanto, você deve se organizar para sair do “vermelho” e não entrar ainda mais.

É importante que você consiga de adequar a sua realidade financeira – gastando somente o que tem e não além disso.

Sendo assim, mude seus hábitos! Procure fazer compras em dinheiro e evite parcelas desnecessárias – com elas você tende a achar que conseguirá pagar e acaba esquecendo daquela dívida antiga.

Lembre-se, é mudando pequenos hábitos que se vê a diferença no final!

  • Procure usar somente dinheiro em suas compras e diminua o uso do crédito.

De antemão você precisa saber que ao realizar compras em dinheiro terá um maior controle do que entra ou sai.

Além disso, comprando em dinheiro e a vista possibilita que você consiga uma negociação com alguns tipos de estabelecimentos – Sendo assim, a economia é ainda maior!

Como abordamos no tópico anterior, é necessário mudar alguns hábitos para ver melhorias, uma delas é a forma de pagamento.

Do mesmo modo, busque reduzir compras no cartão de crédito – ele pode ser um grande vilão se não for usado corretamente.

Tem vários cartões de crédito? Reduza – cancele deixando somente para emergência.

Além disso, cancelando cartões, você terá uma redução nos gastos com anuidades, taxas de juros e muito mais.

  • Se previna contra imprevistos – Tenha uma reserva de emergência.

No decorrer do post destacamos muito a importância de economizar para quitar suas dívidas – Porém, é necessário pensar nos imprevistos.

Já pensou ficar doente e não ter como pagar pelos remédios ou tratamento? É aí que entra a reserva de emergência!

Caso não tenha essa reserva, é muito provável que caia em outra dívida, através dos parcelamentos ou até mesmo empréstimos.

É muito importante que você separe um valor de suas economias tanto para as dívidas, quanto para os possíveis imprevistos.

Na dúvida, crie uma poupança e estabeleça um valor para adicionar a todo mês!

  • Não mora sozinho? Converse com a sua família!

Não mora sozinho? É muito importante que todos da casa saibam das dívidas.

Muitas pessoas deixam de comentar que estão endividados para evitar preocupações a seus familiares – Porém, são eles que estão ali para te apoiar e ajudar nesse momento difícil.

Além disso, como seus familiares vão poder ajudar nas economias se não sabem, não é mesmo?

Por fim, mora sozinho? Você pode optar por conversar com alguém de confiança.

De maneira geral, isso tende a deixar clara a sua realidade, aumentar o comprometimento e ainda contará com o apoio da pessoa para que não acabe agindo por impulso.

  1. Se planeje – Anote todos os seus gastos: entrada e saída.

Por fim trouxemos o ultimo tópico – ressaltando ainda mais a importância do planejamento dos seus gastos.

Uma boa organização financeira ajudará não somente a sair das dívidas, como evita-las.

Crie hábito de anotar todos os seus gastos: entrada e saída.

Além disso, você pode optar por planilhas ao invés de anotar seus gastos em um papel – O Microsoft Excel é uma ótima ferramenta para esse trabalho, assim você poderá ter total controle de seus gastos a cada mês e separar as economias da reserva de emergência.

É importante que você pare e pense – você realmente precisa comprar aquilo? Se a resposta for negativa, isso o ajudará a evitar compras impulsivas.

Quais são os maiores motivos de endividamento?

A principio trouxemos 10 formas para que você saia das dívidas o quanto antes – Entretanto, você sabe quais são os motivos que o levaram a acumular dividas?

Em 2020 vimos o quanto é difícil se manter firme nos gastos, pensando nisso, trouxemos os principais motivos de endividamento no Brasil.

  • Desemprego

Sem dúvidas esse foi um dos principais motivos que levaram muitas pessoas a dívidas esse ano – Foi possível ver as consequências de perto, com os estabelecimentos se fechando.

Entretanto, esse é um problema decorrente e frequente não só em 2020.

Como pagar suas contas com sua fonte de renda cortada? É aí que entra nosso tópico 2: “Plano B”

  • Cartão de crédito

Sim, o cartão de crédito pode ser um grande vilão – Com ele você tem a falsa segurança de pagar em prestações.

Se usado se maneira errônea, acaba sendo um dos principais motivos de endividamento.

Sem dúvidas, pagar uma compra em prestações pode ser uma vantagem – Entretanto, te passa a ilusão de que é um valor baixo, o que pode fazer com que você gaste mais e mais.

Por fim, a fatura veio além do que você pode pagar, o que fazer? De maneira geral, você pensa em pagar a fatura parcelada e é aí que a “bola de neve” começa, com juros altíssimos a cada parcela.

Evite sustos com a fatura do cartão!

  • Cheque especial

O cheque especial é tão perigoso quanto o uso indevido do cartão de crédito – e é um dos maiores causadores de endividamento no Brasil.

O banco disponibiliza um valor para transações em sua conta – Contudo, você tende a achar que isso o salvará em caso de uma necessidade, com uma conta sem saldo.

E é aí que começa o problema! O cheque especial apresenta juros altíssimos ao ano.

  • Empréstimos pessoais

Quer fazer uma viagem? Teve problemas de saúde? Precisa reformar a casa? Você logo pensa no empréstimo pessoal.

Assim como o cheque especial, ao solicitar um empréstimo é necessário ter muita atenção aos juros inclusos.

Além disso, muitos empréstimos podem ser atrativos e com isso você contrata algo por impulso e não por necessidade.

Sendo assim, só opte por um empréstimo se realmente não tiver outra saída – e ainda mais, pesquise!

Existem diversos bancos e financeiras que trabalham com empréstimos – Portanto faça simulações, compare e busque o que mais atender sua necessidade.

Por fim, você também pode conhecer o Serasa eCred, que possui parceria com diversos bancos e financeiras – Através da plataforma você pode fazer simulações e escolher o melhor!

  • Financiamento de imóveis ou automóveis.

Não tem dinheiro para comprar aquele carro dos sonhos? Ou quer investir em uma casa? É necessário ter atenção com os prazos de pagamento.

Sim, uma falta de atenção ou falta de renda pode fazer com que as contas acabem atrasando – Entretanto, isso pode acarretar em até mesmo a perda do bem financiado!

  • Reserva de emergência

Por fim trouxemos um dos temas mais falados do post!

A reserva de emergência pode ser sua aliada em situações não planejadas.

Acima trouxemos problemas reais que podem vir a virar dividas – Já pensou se tivesse uma reserva de emergência para ajudá-lo?

Com essa economia, você poderia pagar a fatura que extrapolou, deixar o financiamento em dia, pagar o empréstimo pessoal e ainda tentar se manter em caso de desemprego.

Fique atento e fuja das dívidas!

E aí, o que achou das dicas? Esperamos poder te ajudar, caro leitor! Conta pra gente nos comentários!

Me siga no Instagram: @carteiramilionariaoficial

Deixe um comentário

quinze − 2 =